28/06/2013 às 09h32min - Atualizada em 28/06/2013 às 09h32min

Vacinação contra paralisia infantil é prorrogada até 5 de julho

Crianças menores de 6 meses a 4 anos e 11 meses devem ser vacinadas

TV Maranhense/Letícya Nascimento
A Campanha Nacional de Vacinação contra a Paralisia Infantil foi prorrogada até dia 5 de julho. Quem ainda não levou seu filho para receber as gotinhas da vacina deve procurar a unidade de saúde mais próxima de sua residência para fazer a imunização até está data.
 
Menores de 6 meses a 4 anos e 11 meses devem ser vacinadas. É necessário que os pais ou responsáveis levem, também, a carteira de vacinação para o controle das doses aplicadas.
 
De acordo com informações da coordenadora de imunização da Secretaria de Saúde (Semus), Rita Carneiro, é importante lembrar que as crianças que estiverem em dia com a vacinação receberão as gotinhas contra a paralisia. Quem estiver em atraso ou ainda não começou o ciclo da vacina passará por uma rápida avaliação para identificar se a imunização será realizada por via oral ou de forma injetável.
 
Todas as unidades de saúde de São Luís estarão efetuando a vacina até o final da Campanha. Até agora, 84% da meta estipulada pelo Ministério da Saúde para a capital do estado (73.939 doses) foi alcançada. Cerca de oito mil crianças ainda precisam ser vacinadas até o final da mobilização.
 
SAIBA MAIS
 
Desde 1990, não são registrados casos da paralisia infantil no país. Hoje, a preocupação é a importação da doença de países onde o vírus ainda circula. 
 
Com a realização de grandes eventos no Brasil como a Copa das Confederações, Jornada Mundial da Juventude e Copa do Mundo, naturalmente, existe o aumento de turistas, inclusive vindos desses países onde ainda não aconteceu a erradicação da doença. Dessa forma, a reinserção do vírus é sempre eminente.
 
A paralisia infantil, também conhecida como poliomielite, é transmitida através do contato com a água e alimentos contaminados pelas fezes. Normalmente, os maiores danos são causados aos membros inferiores (pernas). 
 
Não existe cura para a doença, a única forma de evitar é a vacina. Os tratamentos realizados para os portadores de enfermidade servem apenas para minimizar os problemas surgidos em decorrência da paralisia infantil, como edemas e dificuldades respiratórias.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp