06/07/2017 às 10h27min - Atualizada em 06/07/2017 às 10h27min

Assassino de jovem maranhense pode ficar até 30 anos na cadeia.

Após o crime, que ocorreu às 6h de domingo, Lucas teria se escondido na casa de conhecidos em São Sebastião, onde esteve até a noite de terça-feira.

Informações | correiobraziliense

Assassino confesso do maranhense, morto no último domingo, em Brasília,  Yago Sik, 23 anos, o universitário Lucas Albo, 22, será transferido hoje para o Complexo Penitenciário da Papuda. Ele passou a noite nas dependências do Departamento de Polícia Especializada (DPE), após ser preso em casa. Ele decidiu se entregar depois de uma longa negociação do advogado com o delegado Rogério Oliveira, chefe da 5ª Delegacia de Polícia (Área Central). Em depoimento, o estudante de direito disse que não tinha a intenção de matar, mas apenas “dar um susto”. No entanto, os investigadores trabalham com a teoria de crime premeditado.

A tese é reforçada pelas circunstâncias do crime — ocorrido no início da manhã de domingo, no Conic, após uma festa — e por provas colhidas nos últimos três dias. “Houve uma briga na festa e o Lucas foi retirado da boate. Ele foi em casa e, horas depois, regressou AO cONIC. Lá, ficou esperando, na espreita, a vítima. A principal motivação, até agora, é o ciúme. Não trabalhamos com outra hipótese”, detalhou o delegado-chefe. Antes de matar Yago com dois tiros à queima-roupa  — um deles na cabeça  —, Lucas mandou dezenas de mensagens, via WhatsApp, à então namorada, com xingamentos e ameaças de morte. Os envios aconteceram entre 3h27 e 5h51 (veja imagem ao lado). Em depoimento, o acusado confirmou a autoria: “Enviei, sim”.

Enquanto mandava as mensagens, Lucas aguardava por Yago do lado de fora da festa, no corredor frontal do Conic. Assim que o DJ deixou o local, tornou-se alvo de dois tiros, sem direito à defesa. No momento, ele estava de mão dada com a namorada, Bárbara ROdrigues, que também cehgou a ser agredida por Lucas naquela noite. Ela levou dois socos do  universitário. Câmeras de segurança do prédio gravaram a tocaia e o exato momento do assassinato. 
Lucas Albo será indiciado por ameaça, injúria, homicídio duplamente qualificado por motivo torpe e por impossibilitar a defesa da vítima. Se condenado, pode pegar de 15 a 30 anos de prisão.

Após o crime, que ocorreu às 6h de domingo, Lucas teria se escondido na casa de conhecidos em São Sebastião, onde esteve até a noite de terça-feira. Ao ser apresentado à polícia, ele chorou muito e negou o uso de qualquer tipo de entorpecente. Porém, não soube explicar como saiu do local do crime e disse não saber do paradeiro da arma.

"Ele teve duas horas para pensar. Foi para casa, pegou uma arma, voltou e matou meu sobrinho" Karine Camargo, tia e madrinha da vítima

Informações | correiobraziliense

Saiba mais desta e de outras notícias em emaranhense.com.br ou acesse nosso facebookVocê pode enviar a sua denúncia para nosso e-mail jornalismo@emaranhense.com.br e também para nosso whatsapp -(98)98739-7762.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp