19/12/2014 às 14h31min - Atualizada em 19/12/2014 às 14h31min

PSDB pede cassação de registro de Dilma e posse de Aécio

Partido derrotado pelo PT no segundo turno considerou "pífia" a diferença de votos entre a presidente e o senador mineiro; para PT, é "choro de perdedor"

Janaína Garcia/direto de São Paulo.

O PSDB e a coligação "Muda Brasil" protocolaram nesta quinta-feira no Tribunal Superior Eleitoral o pedido de cassação do registro de candidatura e da diplomação da presidente Dilma Rousseff (PT) e seu vice, Michel Temer (PMDB). Na ação, o partido também pede a diplomação dos senadores Aécio Neves e Aloysio Nunes Ferreira para os postos de presidente e vice, respectivamente, e classifica como “pífia” a vantagem de “apenas 2,28%” da petista sobre a candidatura tucana - cerca de 3,4 milhões de votos. Acerimônia de diplomação da de Dilma e Temer foi realizada esta noite pelo Tribunal.

No documento, as partes alegaram que a candidatura de Dilma e Temer teria feito uso da máquina administrativa e abusado do poder econômico durante a campanha. Para o PSDB, teriam havido desvios que, na avaliação do partido, comprometeram a legitimidade das eleições. “Como exemplo, a convocação imprecisa de redes de rádio e televisão para pronunciamentos, a manipulação de indicadores socioeconômicos, o uso de prédios públicos, entre outros”, diz o partido.

"A eleição presidencial de 2014, das mais acirradas de todos os tempos, revelou-se manchada de forma indelével pelo abuso de poder, tanto político quanto econômico, praticado em proveito dos primeiros réus, Dilma Vana Rousseff e Michel Miguel Elias Temer Lulia, reeleitos presidente e vice-presidente da República, respectivamente”, diz trecho da representação.

No documento, o partido citou a participação de Dilma na entrega de moradias do programa federal “Minha Casa, Minha Vida” em 4 de março de 2013, em João Pessoa, com o seguinte trecho de pronunciamento da petista: 'Nós podemos fazer o diabo quando é a hora da eleição'".

Outra situação destacada foi o pronunciamento de Dilma em cadeia nacional, dia 8 de março deste ano, pelo Dia Internacional da Mulher. Para os tucanos, “a pretexto de prestar homenagem” à data, a presidente teria feito promoção pessoal ao “ressaltar as realizações do Governo, rompendo radicalmente o princípio da impessoalidade”. Entre os programas citados no pronunciamento estavam, por exemplo,  o Bolsa Família –onde 93% dos cartões de beneficiários pertencem a mulheres.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp