06/04/2013 às 20h13min - Atualizada em 06/04/2013 às 20h13min

Feliciano repete afirmação sobre africanos

Segundo o deputado, que responde por racismo em processo no STF, os africanos são amaldiçoados; ele se baseia em passagem bíblica

Da Redação noticias@band.com.br

 

O deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) voltou a afirmar, nesta sexta-feira, que uma maldição divina paira sobre os africanos. Esta afirmação gerou polêmica e protestos contra o atual presidente da CDHM (Comissão de Direitos Humanos e Minorias). 

Durante defesa protocolada no STF (Supremo Tribunal Federal), Feliciano tentou justificar a fala e disse que atrelou o mandato parlamentar à sua crença religiosa. O deputado é, também, um pastor da Igreja Evangélica. 

Agora é Tarde recebe Marco Feliciano; veja

CQC: Feliciano nega ser homofóbico

"Só saio da comissão morto", diz Feliciano


"Citando a Bíblia [...], africanos descendem de Cão, filho de Noé. E, como cristãos, cremos em bênçãos. Portanto, não podemos ignorar as maldições", afirmou em peça protocolada. 

Feliciano se defendeu e disse que, por causa desta frase, não pode ser considerado racista. Ele também disse não ser homofóbico. 

A denúncia

Marco Feliciano responde por preconceito e discriminação por uma declaração no Twitter em 2011. Na época, ele afirmou que "a podridão dos sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, à rejeição".

Foi no mesmo período que o deputado comentou sobre a maldição dos africanos citando o personagem bíblico Noé. "Isso é fato", escreveu no microblog. 

As declarações motivaram manifestações e, por fim, a denúncia da Procuradoria Geral da República ao STF, onde ele também responde por estelionato. 

A acusação remete a Feliciano a indução e incitação de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, sujeito a prisão de um a três anos e multa. 

Para a homofobia não existe tipificação penal.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp