14/06/2018 às 10h34min - Atualizada em 14/06/2018 às 10h34min

STF proíbe importação do camarão do Equador para o Maranhão

- Redação | Com informações do Procuradoria Geral do Estado do Maranhão

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Carmen Lúcia determinou a proibição da importação de ‘camarão do Equador’. A decisão foi determinada na última segunda-feira (4) e publicada na terça-feira (5).

A ministra atendeu a demandas da Associação Brasileira de Criadores de Camarão (ABCC) e das Procuradorias Gerais dos Estados do Maranhão, Rio Grande do Norte e Bahia.

Em 2016, a Secretaria de Agricultura e Pesca (SAP) - órgão vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) - afirmou ser proibida a importação de camarão do tipo Litopenaeus vannamei sem que fosse realizada a Análise de Risco de Importação (ARI).

Já em 2017, a competência da questão foi transferida para a Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA), que alterou o entendimento anterior, liberando a importação do camarão equatoriano sem análise.

A Associação Brasileira de Criadores de Camarão ajuizou Ação Civil Pública em que pedia a volta dos trâmites anteriores, tendo em vista que o camarão do Equador pode representar um perigo à biodiversidade marinha e à atividade pesqueira brasileira. Maranhão, Rio Grande do Norte e Bahia entraram no caso como assistentes da ABCC e o conjunto obteve uma tutela provisória.

 

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL), em desacordo com a decisão, ingressou com um Agravo junto à justiça, que permitiu a volta da compra do camarão sem Análise de Risco. Logo após o Estado do Maranhão decidiu por requerer uma contracautela por considerar que o camarão estrangeiro pode causar danos irreparáveis, assim como prejuízos à economia, à ordem pública e, principalmente, à saúde da população.

Em parte da decisão tomada anteriormente, a ministra Carmen Lúcia restabeleceu a decisão liminar que já havia condicionado a importação do camarão do Equador a uma Análise de Risco.

“As questões apresentadas nos estudos acadêmicos e pareceres técnicos elaborados pelo MAPA nos últimos três anos sobre a possibilidade de disseminação de 10 novas doenças virais e bacteriológicas (...) existentes em solo equatoriano e ausentes no território brasileiro, (...) demonstram a conveniência de se exigirem medidas sanitárias mais rígidas, aptas a impedir danos à biodiversidade marinha e, ainda, à atividade pesqueira nacionais”, afirmou.

Saiba mais desta e de outras notícias em emaranhense.com.br ou acesse nosso facebookVocê pode enviar a sua denúncia para nosso e-mail jornalismo@emaranhense.com.br

Link
Notícias Relacionadas »
ss